Home Brasil SEXO E VIOLÊNCIA INVADEM SITES INFANTIS
0

SEXO E VIOLÊNCIA INVADEM SITES INFANTIS

0

Não há como confiar, nem mesmo se os aplicativos fizerem menção em seus nomes, em ambientes exclusivos para crianças. A exemplo deste perigo que ronda o universo virtual, pais precisam, a todo momento, estar atentos ao conteúdo que seus filhos assistem na internet.

Nem mesmo o YouTube Kids que foi projetado para excluir todo e qualquer tipo de conteúdo impróprio para crianças, tem conseguido vencer
a imposição da pornografia e violência disseminada na internet.
O problema se torna ainda mais sério porque no universo infantil, o fenômeno ‘Elsagate’ se torna cada vez mais difícil de combater.
Trata-se da montagem e uso de desenhos animados e filmagens que plagiam personagens do universo infantil, mas que retratam cenas de violência
e sexo. Em rápida busca por animações infantis, diversos vídeos impróprios disfarçados surgem.

Homem-aranha apalpando seios de meninas, o incrível Hulk violento e agressivo com inocentes e personagens de princesas prostituídas são algumas das reproduções automáticas que ocorrem.
A plataforma permite que os pais desativem o recurso de busca para que os pais possam ter o controle de visitações e visualizações de seus filhos, mas possui um mecanismo de reprodução automática que exibe vídeos relacionados, e muitas vezes por terem o nome do personagem, acabam sendo exibidos. Nas instruções do YouTube Kids, a empresa admite que não analisa manualmente todos os vídeos.

Outras plataformas
Os pais ao perceberem este tipo de conteúdo, procuram outras formas para entreter seus filhos. É o caso da vendedora Thalia Santos, 20 anos, que desinstalou o aplicativo do tablet da filha de 3 anos. Segundo ela, os vídeos estavam provocando comportamentos estranhos na criança.
“Eu estava desesperada. Ela começou a querer bater e enforcar, ficou com mania de pegar meus seios e dizia que o Homem-Aranha fazia isso”, explicou. “Comecei a procurar, coloquei um vídeo que ela gostava de assistir e os vídeos bizarros apareciam depois. Não deixo mais assistir”, completou.

Precaução
A internet é apenas a ferramenta, o problema é o ser humano que publica este tipo de material em sites infantis. Os conteúdos podem ter objetivos maldosos, pois é possível incluir links nas descrições dos vídeos que direcionam a programas que permitem a invasão dos computadores, das senhas e até câmeras. Por isso, é importante aos pais é saberem que a segurança virtual dedicada aos filhos precisa da mesma atenção que eles dão à segurança física da criança.

Posição
A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) anunciou que vai notificar o Google e o YouTube pedindo a retirada dos vídeos
do tipo ‘ElsaGate’.

Comentários