Home Brasil SAÍDA TEMPORÁRIA É OPORTUNIDADE PARA FUGA DE DETENTOS
0

SAÍDA TEMPORÁRIA É OPORTUNIDADE PARA FUGA DE DETENTOS

0

O ideal seria se todos os penitenciários que recebem este benefício honrassem o compromisso e retornassem por livre e espontânea vontade para a prisão, mas dados mostram que, muitos aproveitam a folga e não voltam.
Para este Dia dos Pais, a estimativa é que cerca de 22,8 mil condenados saiam das penitenciárias de São Paulo e, caso a média histórica se confirme, aproximadamente 1 mil não retornará às unidades prisionais.
Nas duas datas comemorativas de 2017 (Páscoa e Dia das Mães), 49.274 presos tiveram o benefício de visitar a familia, porém, 1.744 não regressaram aos presídios.

Polêmica
Este é um assunto que divide muitas opiniões, principalmente quando o detento comete algum crime neste período.
Os defensores desta lei afirmam que o benefício é fundamental para o que preso crie laços e se reinsira na sociedade, o que seria importante para que não voltem a cometer crimes. Enquanto, os críticos afirmam que esta é uma oportunidade para expor o detento à criminalidade.

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) explica o que acontece quando o preso não retorna à penitenciária.
“A autorização é concedida por ato normativo do Juiz de Execução, após ouvido o representante do Ministério Público. É importante lembrar que, quando o preso não retorna à unidade prisional, é considerado foragido e perde automaticamente o benefício do regime semiaberto, ou seja, quando recapturado, volta ao regime fechado.”

Lei
A saída temporária é um benefício garantido por lei a todos os presidiários que: estejam detidos em regime semiaberto, já tenham cumprido um sexto da pena (um quarto, no caso de reincidentes), apresentem bom comportamento e recebam autorização de um juiz para sair temporariamente. Das seis saídas ao ano (Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças, Finados e Natal/Ano Novo), o preso pode sair cinco.

Ainda que amparado pela lei, a soltura de criminosos é nova condenação às famílias das vítimas de seus crimes. O bandido ganha o direito de gozar do dia dos pais depois de deixar uma esposa sem marido, filhos órfãos ou ele mesmo nem tem alguém para chamar de pai ou ainda aos filhos que colocou no mundo nada ensinou sobre união para comemoração de datas festivas.
Ainda que pai ou filho de alguém, não há justiça quando o bandido sorri ainda fazendo tanta gente chorar.

Comentários