Home Mundo PLAYBOY ESTAMPA CAPA COM TRANS PARA IMPOR TERCEIRO GÊNERO

PLAYBOY ESTAMPA CAPA COM TRANS PARA IMPOR TERCEIRO GÊNERO
0

PLAYBOY ESTAMPA CAPA COM TRANS PARA IMPOR TERCEIRO GÊNERO

0

Caso seja aprovado, a Alemanha será o primeiro país no mundo a ignorar completamente a biologia humana e sua constituição celular. É que o Tribunal Constitucional da Alemanha solicitou que o governo permita a inclusão de um terceiro gênero, além de feminino e masculino, em documentos oficiais. Com a decisão, os juízes deram prazo até o fim de 2018 para que a adequação legal seja feita.

A Justiça definiu que o termo poderá ser “intersexual” ou “diverso” – ou qualquer terminologia do tipo – para que pessoas que não se identifiquem com nenhum dos dois sexos possam registrar isso em documentos.

A decisão tomou como base a ação de uma pessoa, que foi registrada como pertencente ao sexo feminino, mas que lutava para por “diverso” em seus documentos.

Sexo. Não gênero = diverso
Desde 2013, a Alemanha permite que uma pessoa deixe em branco a definição do sexo. Se a decisão judicial for aplicada, de fato, o país será o primeiro da Europa a reconhecer oficialmente o terceiro gênero.
Mídia e empresas apoiam
Não é pelo reconhecimento profissional, caráter inquestionável ou por respeito ao próximo. Mais uma vez a comunidade LGBTIWYZXK impõe a sociedade aceitação inquestionável da minoria transgênero exigindo respeito através da nudez.

A revista Playboy alemã trouxe pela primeira vez em sua capa uma transgênero justificando que a iniciativa é uma contribuição contra a discriminação.
Nascido Pascal Radermacher, hoje Giuliana Farfalla, o transgênero saiu dos realitys shows para as capas de revistas masculinas.

A questão é? Até quando a comunidade gay e os transgêneros enxergaram uma fobia inexistente por parte dos conservadores usando essa nomenclatura inventada como motivo de vitimismo e exclusão?
Em que sociedade desenvolvida a nudez é postura respeitável?
O próximo passo será o nu frontal ou programas que exibam sexo explícito entre gays e transgêneros como desculpa pela inclusão e aceitação?
Na verdade, são muitas questões…
E que não precisam de prática para as respostas.

Comentários