Home Brasil PEQUENOS DELITOS, BRIGA DE VIZINHO E DIFAMAÇÃO SERÃO REGISTRADOS POR PMs

PEQUENOS DELITOS, BRIGA DE VIZINHO E  DIFAMAÇÃO SERÃO REGISTRADOS POR PMs
0

PEQUENOS DELITOS, BRIGA DE VIZINHO E DIFAMAÇÃO SERÃO REGISTRADOS POR PMs

0

O início do aparelhamento de nossas forças policiais passa, obrigatoriamente, pela agilidade no serviço e desburocratização de suas ações.
Entrará em vigor o Sistema de Ocorrência Virtual (SOVi), no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), uma ferramenta que integra as polícias Militar e Civil, e que pretende agilizar os registros de ocorrências de crimes de menor potencial ofensivo. Por meio do SOVi, o policial militar vai preencher a ocorrência em uma plataforma digital no local do fato e transmitir o formulário para a delegacia da área, onde o delegado formalizará o registro.
“Este avanço é fundamental para que tenhamos mais policiais militares nas ruas. Até o final do nosso governo, vamos recompor as polícias Militar e Civil. Eu acredito que, através das mudanças que estamos fazendo, até 2022, a liberdade de ir e vir estará novamente devolvida à população”, disse o governador.

Ilha do Governador é área testada
A região da Ilha do Governador foi escolhida para dar início ao projeto-piloto por ter uma área limitada pela Baía de Guanabara, além de ter um batalhão de polícia e uma delegacia.

Projeto
“O Sistema de Ocorrência Virtual vai atender aos crimes de menor potencial ofensivo, como briga de vizinhos, injúria, difamação e os pequenos delitos do dia a dia. Não será mais necessário o deslocamento do local da ocorrência até uma delegacia, onde o cidadão tem que aguardar para registrar aquele pequeno delito. A partir de agora, a ocorrência será registrada pelo policial militar no mesmo local do fato. Pelo sistema, o delegado vai validar aquele registro feito pelo PM. Imediatamente, tanto as pessoas envolvidas quanto o policial militar vão receber por e-mail uma cópia daquele registro. O policial estará liberado mais rapidamente para continuar o policiamento ostensivo”, explicou o porta-voz da Polícia Militar, coronel Mauro Fliess.

Comentários
-- Jornal Nação --