Home Economia PEDIDOS PARA CARTÕES DE LOJA CRESCEM E PODEM SIGNIFICAR NOVAS DÍVIDAS

PEDIDOS PARA CARTÕES DE LOJA CRESCEM E PODEM SIGNIFICAR NOVAS DÍVIDAS
0

PEDIDOS PARA CARTÕES DE LOJA CRESCEM E PODEM SIGNIFICAR NOVAS DÍVIDAS

0

Há sempre quem consiga tirar proveito comercial mesmo em meio a uma crise, ou principalmente por causa dela.
É o caso do mercado de cartões private label – aqueles com a marca de lojas – que, registram crescimento recorde por conta do corte no crédito e limite que os bancos estão promovendo a seus clientes.

Clientes classe C e D
Essa restrição bancária ocorre com os clientes de classe C e D. Atualmente, são os que mais apresentam dificuldade de solvência e quitação das contas. Os consumidores das classes menos favorecidas acabaram se acostumando e utilizando o crédito de forma dependente para suas operações mais básicas, como para alimentação e, quando os bancos cortam limites e cancelam automaticamente sua forma de compra a prazo, eles são obrigados a buscar novas
alternativas para se manter.

Novas dívidas, novos cortes
É onde mora o perigo. Dependentes de crédito, as famílias e consumidores das classes C e D acabam trocando o popular ‘seis por meia dúzia’, uma vez que o prazo só mudou de marca estampada no plástico, mas a dificuldade em quitação continua a mesma.
Depois de negativados com os bancos e financeiras, os compradores se veem em um emaranhado de dívidas por conta de cartões de crédito de lojas específicas, supermercados e dos pequenos comércios. Parcelas suaves que acompanhadas de outras compras, acabam estourando
o orçamento.

Crédito menor é vantagem
Para os consumidores controlados nas finanças, ter crédito nos cartões de loja, principalmente as do bairro de sua residência pode ser uma vantagem.
A primeira opção é decidir por limites de crédito baixos, dentro das possibilidades de pagamento e quitação dentro do prazo.
Saber que a perda do crédito na loja de construção pode afetar o término da obra da casa é um incentivo para comprar apenas o necessário e dentro do orçamento.

Comentários