Home Saúde NÃO CAMINHE SÓ PELA ESTRADA DA DEPRESSÃO

No Banner to display

NÃO CAMINHE SÓ PELA ESTRADA DA DEPRESSÃO
0

NÃO CAMINHE SÓ PELA ESTRADA DA DEPRESSÃO

0

Tristeza sem causa é uma constante em sua vida? As lágrimas escorrem de seus olhos sem motivo aparente trazendo consigo uma imensa sensação de vazio? Parece que o mundo está contra você e tudo conspira para seu mal? Seus planos se amontoaram em uma montanha de decepções e seus sonhos uma nuvem de irrealizações? O maior fator para que a depressão se alastre entre a sociedade e faça tantas vítimas é o fato de que junto as inúmeras sensações que parecem sufocar o ser humano ela vem acrescida de uma inegável vergonha.Vergonha de existir, vergonha de estar nesta situação, vergonha por se achar fraca demais se mostrando incapaz de controlar os próprios sentimentos e a vergonha de encarar o que outros vão pensar. Se suas respostas, em sua maioria, forem ‘sim’ para as perguntas acima é hora de olhar para dentro de você e tentar se reencontrar.
Sozinho é possível, todavia, mais demorado e muitas vezes mais doloroso. Ajuda neste momento é fundamental e saber que a depressão acomete todo o tipo de gente. De todas as raças, credo, etnias. Ela não distingui posição social ou financeira de ninguém. Ela busca apenas um ser humano dotado de inteligência para comprimir sua capacidade lógica e abrigar no coração nuvens cinzas espessas carregadas de mágoa, rancor, tristeza e amarguras.
Muitas sem causa, outras potencializando algum acontecimento que nem merecia tanta importância. A depressão distorce sua capacidade de discernimento e te diminui em si mesmo. Cabe a você reconhecer este perigo e ascender a luz de emergência. Ela está lá. Ainda que no fundo do poço que a doença tenha tentado jogar você, ela está lá. Agarre-a e se seus braços estiverem cansados demais para tentar uma reação, olhe para o lado. Há pessoas que se importam tanto com você que são capazes de entrar nesta luta por sua recuperação.
A ciência vai dizer que a depressão é uma doença física que está relacionada ao desequilíbrio químico dos neurotransmissores muito comum no mundo estressado e ansioso que vivemos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), no futuro a depressão pode ser a doença mais comum do mundo inteiro, à frente até de doenças cardiovasculares.
A doença é caracterizada pelo estado de humor triste e doloroso, associado à redução de ânimo para realizar atividades físicas e dificuldades psicológicas. A insônia e a ansiedade também são uns dos principais sintomas.
É importante diferenciar a tristeza momentânea da depressão; a tristeza momentânea após situações difíceis (luto, separação, perda de emprego) é passageira, afetam o estado emocional e as razões são identificáveis. A depressão pode durar meses e até anos, na maioria das vezes não possuem razão específica e precisam ser tratadas com um psiquiatra para uma terapia completa e eficaz.

Sintomas:
– Distúrbio do sono: ou o paciente dorme demais tentando fugir da realidade, ou não consegue dormir por não conseguir
se desligar dos problemas que desencadearam a doença;
– Tristeza na maior parte do dia, particularmente na manhã;
– Dor de cabeça: a somatização de problemas emocionais, frustrações, medos e inseguranças podem descarregar no corpo;
– Perda de apetite (que é caracterizada por perda de peso) e distúrbios digestivos;
– Perda de desejo sexual (libido);
– Desânimo, cansaço, incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis
– Preguiça; até mesmo de fazer atividades simples como tomar banho, assistir televisão ou ler jornal. Ou seja, nos quadros depressivos
há uma diminuição geral do nível de energia da pessoa;
– Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, e inutilidade;
-Distúrbios de atenção e memória, distúrbios motores ou fraqueza;
– Sentimento de culpa e incapacidade;
– A pessoa pode desejar morrer, e até planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio;

 

Alimentos que auxiliam no tratamento da depressão

Carnes magras e peixe aumentam a produção de serotonina. Reduzem a sensação de dor, diminuem o apetite, relaxam, e criam a sensação de prazer e bem-estar. Podem auxiliar também no sono. É recomendável uma ou duas porções por dia, principalmente de peixes como atum e salmão

Melancia, abacate, mamão, banana, tangerina e limão são conhecidos como agentes do bom humor. As frutas são ricas em triptofano, aminoácido que ajuda na produção de serotonina. É recomendado o consumo de três a cinco porções de frutas todos os dias

O leite e iogurtes desnatados são ótimas fontes de cálcio, mineral que elimina a tensão e depressão. “O cálcio ajuda a reduzir e controlar o nervosismo e a irritabilidade. Ele participa também das contrações musculares, dos batimentos cardíacos e da transmissão de impulsos nervosos
e regulariza a pressão arterial

O mel estimula a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer e bem-estar. Para usufruir dos benefícios, duas colheres de sobremesa, ao dia,
são suficientes

 

Banana verde contra depressão

A banana verde cozida ajuda no tratamento para a depressão por possuir bastante amido resistente e vitamina B. O amido resistente é uma fibra que se transforma em frutose, responsável por dar o sabor doce da banana quando ela amadurece. Ele ajuda no funcionamento intestinal e favorece o sistema imunológico, combatendo a depressão e outras doenças.
Modo de preparo
– Lave bem as bananas e coloque-as ainda com casca numa panela de pressão com água suficiente para cobrir todas as bananas. – Leve ao fogo para ferver por cerca de 20 minutos, até que as bananas fiquem bem macias, retire suas cascas e depois bata toda a sua poupa no liquidificador até formar uma mistura homogênea. Se preciso, adicione um pouquinho de água morna. – Para utilizar a biomassa de banana verde, coloque a mistura que sai do liquidificador numa forma
de gelo e congele. – Depois é só adicionar 1 cubinho na sopa, ou em qualquer preparação como mingau, molhos, ou no preparo de bolos, pães ou biscoitos.
É indicado o consumo de 2 cubinhos por dia, 1 no almoço e outro durante o jantar.

 

fatores  de risco

– Histórico familiar: quanto mais grave a depressão em familiares próximos, maior
o risco para seus entes;
– Mulheres são mais propícias a depressão por causa das constantes oscilações hormonais;
– Traumas na infância: separação dos pais, abuso físico e mental, e experiências de medo podem desencadear a depressão infantil ou até mesmo refletir na fase adulta;
– Perdas: a perda de um companheiro por divórcio ou morte é um dos motivos mais relatados por pacientes;
– Doenças associadas: qualquer doença crônica ou grave, que ameaça a vida ou está fora do controle do indivíduo doente, pode levar à depressão; o acidente vascular encefálico e a doença da tireóide também aumentam o risco de depressão;
– Tabagismo: quando as pessoas param de fumar, há cerca de 25% de chances
de desenvolver a depressão;
– Ansiedade: quase todos os pacientes apresentam ansiedade concomitante;
– Personalidade tímida e insegura: pessoas que possuem dificuldade para
interagir e se relacionar.

A depressão é uma doença física que está relacionada ao desequilíbrio químico dos neurotransmissores muito comum no mundo estressado e ansioso que vivemos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), no futuro a depressão pode ser a doença mais comum do mundo inteiro,
à frente até de doenças cardiovasculares.
A doença é caracterizada pelo estado de humor triste e doloroso, associado à redução de ânimo para realizar atividades físicas e dificuldades psicológicas. A insônia e a ansiedade também são uns dos principais sintomas.
Entretanto, a tristeza não é o único sintoma da depressão e em alguns casos nem é o mais importante. Existem diversos sintomas que caracterizam o quadro depressivo, mas nem todos precisam estar presentes para se fazer o diagnóstico. Dependendo da gravidade do quadro, o paciente irá apresentar um número maior ou menor de sintomas.

 

TRISTEZA

É importante diferenciar a tristeza momentânea da depressão; a tristeza após situações difíceis (luto, separação, perda de emprego) é passageira, afetam o estado emocional
e as razões são identificáveis.

– Passageira (dura horas ou
no máximo 2 meses)
– Sentimento normal de todo
ser humano
– Reação comum diante de
problemas da vida
– Não altera o sono, apetite e não provoca sintomas prolongados
– Não afeta a performance
no trabalho
– Não afeta relações interpessoais
– Isolamento curto são possíveis

 

DEPRESSÃO

A depressão pode durar meses e até anos, na maioria das vezes não possuem razão específica e precisam ser tratadas com um psiquiatra para uma terapia completa e eficaz.

– É persistente (semanas, meses ou anos)
– Doença (patologia mental diagnosticada por um médico)
– Não necessita de fator externo para desencadear sintomas
– Altera o corpo (sono, apetite, dores difusas)
– Afeta capacidade de raciocínio, concentração e para o trabalho
– Prejudica relações interpessoais
– Provoca alterações bruscas de
humor e isolamento prolongados

 

Unanimidade entre pacientes depressivos é a tristeza, o vazio e a perda de si mesmos dentro de uma imensidão de sentimentos que parecem envenenar a alma. Quando a força física, o intelecto humano, e as possibilidades materiais não conseguem suprir o que um doente precisa é hora de exercer aquilo que o médico não explica, mas a ciência comprova; ter fé pode significar vencer ou ser derrotado por esta doença. Quando estiver perdido em si mesmo, há alguém que sabe exatamente onde encontrá-lo, Deus. Ele vai lembrá-lo de que sua vida faz parte de um plano e você foi criado para um propósito. Deus só precisa deste seu coração. Assim mesmo; triste, vazio e desesperançoso.
Não percorra essa estrada sozinho (a).

 

Comentários
-- Jornal Nação --