Home Comportamento LEI PREVÊ CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO PARA PARADA GAY ATRAVÉS DAS EMPRESAS

LEI PREVÊ CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO PARA PARADA GAY ATRAVÉS DAS EMPRESAS

LEI PREVÊ CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO PARA PARADA GAY ATRAVÉS DAS EMPRESAS

0

Enquanto exigem aceitação, a comunidade LGBT comemora projeto que beneficia evento segregado e luta para que festa entre no calendário da cidade para ter direito à captação de recursos públicos.

A Parada do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) de Copacabana teve o projeto de captação de recursos via Lei do Imposto Sobre Serviços (ISS) aprovado pela Secretaria de Cultura do Município do Rio.

O Grupo Arco-Íris, organizador da parada, apresentou o projeto e recebeu autorização para captar apoio de R$895 mil. Isso significa que ao patrocinar o evento, as empresas cariocas poderão abater parte do valor que deveria ser pago em forma de ISS à prefeitura.

Ou seja, verba que a prefeitura deixa de arrecadar para investir em todo carioca, independente da opção sexual, será destinado para benefício dos integrantes
da comunidade LGBT.

Júlio Moreira, diretor sócio-cultural do grupo LGBT, afirma que a festividade acontecerá mesmo que não haja interesse das empresas em investir pois o protesto reivindica o respeito à diversidade sexual e de gênero. Mas, acredita que com o estímulo terá um resultado positivo sobre a captação de recursos, e em breve poderão ser realizados outros eventos relacionados a ideologia LGBT.

“Tem uma série de atividades que nós realizamos. Mostras de filmes, feira cultural, shows de drags”, adianta.

Calendário oficial
Além dos gastos com as festas de carnaval e réveillon, o coordenador de Diversidade Sexual, Nélio Georgini, quer que paguemos também pelas paradas LGBT. A iniciativa é uma contrapartida ao decreto 43.294 que proíbe o uso de recursos públicos em eventos que não sejam destinados à apresentação de programas e projetos de governo ou de comunicação institucional. A exceção é para os eventos que fazem parte do calendário oficial.

Comentários