Home Política JEAN WYLLYS PODE SER INVESTIGADO POR POSSÍVEL VENDA DE MANDATO

JEAN WYLLYS PODE SER INVESTIGADO POR POSSÍVEL VENDA DE MANDATO
0

JEAN WYLLYS PODE SER INVESTIGADO POR POSSÍVEL VENDA DE MANDATO

0

Nem todos os políticos acreditaram na história de perseguição e ameaça contra sua vida apresentada por Jean Willys antes de passar o mandato e deixar o país.
Levantando a questão, o deputado José Medeiros (PODE-MT) suspeita que o ex-deputado pode ter vendido o mandato para seu suplente David Miranda (PSOL-RJ).
Deixando nas mãos da Polícia Federal as investigações, Medeiros protocolou um ofício para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e para a própria PF reforçando o pedido de investigação.

Estratégia para marido de Gleen Greenwald agir contra Bolsonaro
José Medeiros pede que os sigilos fiscais de Wyllys e do jornalista Glenn Greenwald sejam quebrados.
O jornalista é o companheiro de David, e responsável por vazar ilegalmente conversas entre o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol.
Editor-chefe do site The Intercept, Glenn Greenwald é próximo de Wyllys e não esconde seu desafeto pelo presidente Jair Bolsonaro, que também é alvo de críticas do ex-deputado.
O norte-americano já usou o Twitter para afirmar que seria preciso uma “estratégia eficaz para bater Bolsonaro”.

“Tem que parar de ser ingênuo. Há um claro objetivo político de desestabilizar tudo, parar a Lava Jato e impedir a reforma da Previdência. Estamos em guerra contra uma quadrilha”, disse José Medeiros ao O Antagonista.
Para o deputado, Glenn também pode ter financiado os ataques contra as autoridades, pagando hackers para invadir os celulares dos procuradores e posteriormente alegando que a fonte da matéria é anônima. Para ele, trata-se de uma “invasão cibernética promovida e patrocinada por estrangeiros”.

A esquerda pode interpretar e mais uma vez se vitimizar tendo essa ação como ‘teoria da conspiração’, mas para os que estão atentos as movimentações políticas, sindicalistas e de bastidores entende, perfeitamente, que há fundamento no pedido do deputado conservador.

Comentários