Home Política Governo deve gastar ainda mais em programas sociais em tempos de crise

Governo deve gastar ainda mais em programas sociais em tempos de crise

Governo deve gastar ainda mais em programas sociais em tempos de crise

0

Mesmo com a grave crise econômica e com o ajuste fiscal, o governo brasileiro necessita gastar mais em programas sociais como o Bolsa Família em tempos de recessão, afirma o economista Ricardo Paes de Barros.
Em entrevista o economista-chefe do Instituto Ayrton Senna e professor do Insper disse que o orçamento do governo deve ser anti-cíclico – com aumento de gastos em tempos de crise, e diminuição em períodos de prosperidade.
Paes de Barros é muito próximo do deputado federal Osmar Terra (PMDB-RS) que assumiu o ministério do Desenvolvimento Social e Agrário criado pelo presidente interino Michel Temer.
As ideias do economista – que participou da incepção do Bolsa Família na década passada – inspiraram os documentos Travessia Social e Ponte para o Futuro do PMDB e é provável que ele participe da reformulação da estratégia social do novo governo.
Depois de 13 anos, o Bolsa Família ajudou a retirar milhões de pessoas da pobreza. No entanto, com ajuste fiscal, o novo governo promete promover cortes em diversos gastos governamentais.
Paes de Barros defende que nenhum corte seja feito em programas que beneficiem os 50% mais pobres do país, que respondem por apenas 10% da renda nacional, e faz um balanço positivo do combate à pobreza no Brasil na última década.

Como o senhor resumiria as últimas duas décadas em termos de combate à pobreza no Brasil? Foi um sucesso ou um fracasso?
Ricardo Paes de Barros – O histórico de combate à pobreza é quase um recorde mundial. Nós temos reduzido a pobreza em um ritmo de três a quatro vezes maior do que o que havia sido combinado nas Metas do Milênio. A meta era reduzir pobreza pela metade em 25 anos. Nós estamos reduzindo pela metade a cada oito, dez anos. O ritmo de crescimento de renda dos pobres no Brasil tem sido quatro vezes maior do que o crescimento de renda dos ricos. Esse é um histórico incrível em redução de pobreza. Se tivermos mais dez anos com a mesma redução de desigualdade, provavelmente teremos um nível decente de desigualdade, e deixaremos de ser uma das sociedades mais desiguais do mundo.

É possível cortar gastos governamentais e manter programas de combate à pobreza ao mesmo tempo?
Paes de Barros – Se estamos falando de programas sociais que beneficiam os 50% mais pobres – os 50% mais pobres detêm apenas 10% da renda nacional – daí não custa muito dinheiro manter os programas sociais necessários para essa camada da população.
Nós temos que nos certificar de que com crise ou sem crise nunca tocaremos nos programas que afetam os 50% mais pobres. Mas os programas que afetam os outros 50% precisam ser cortados. E temos que ser bem criteriosos para entender quais são mais ou menos importantes.
Todos os cortes precisam ser nos programas que beneficiam pessoas nos 50% de cima.

Entrevista concedida à BBC

Comentários
-- Jornal Nação --