Home Brasil DEPUTADOS LIGADOS À IURD APROVAM LEI QUE REDUZ PENA DE CRIMINOSOS

DEPUTADOS LIGADOS À IURD APROVAM LEI QUE REDUZ PENA DE CRIMINOSOS
0

DEPUTADOS LIGADOS À IURD APROVAM LEI QUE REDUZ PENA DE CRIMINOSOS

0

Para quem mato, rouba, estupra ou comete os crimes mais hediondos possíveis as leis são cada vez mais acolhedoras.
Dessa vez, quatro deputados estaduais ligados à Igreja Universal do Reino de Deus conseguiram aprovar pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), o projeto de lei que visa diminuir a pena de presidiários que lerem a Bíblia.

Bíblia desmembrada para melhor benefício
Os deputados conseguiram até mudar o entendimento coletivo de um livro. É que o Projeto de Lei nº 390, de 2017, passa a ver a Bíblia, que antes contava como um livro, como uma coletânea de 66. Logo, a leitura de cada um destes livros é considerada como uma obra literária concluída.

Mais perto da rua
para o criminoso a soltura se torna cada vez mais fácil, pois a remição de pena, que é um direito do condenado de abreviar o tempo de sua sentença penal pode ser requisitado por trabalho, estudo e, de forma mais recente, pela leitura, segundo a recomendação do Conselho Nacional de Justiça. Cada livro concluído possibilita a remição de quatro dias de pena, estabelecendo o limite de 12 livros por ano.

Criam leis sem conhecimento
O professor de Instituto de Direito Público de São Paulo, Conrado Gontijo, afirma que o projeto é inconstitucional. “Em primeiro lugar, a legislação penal é de competência do legislativo federal, ou seja, do Senado e da Câmara. Não cabe à Alesp interferir na questão da execução penal para fins de remição. A Constituição prevê que isso é competência do Congresso Nacional”, explica.
prova de que os Poderes do Brasil estão sob administração de incompetentes que nem ao menos sabem o ofício que lhes cabem.

Incluam os livros de Umbanda, Candomblé, Kardecismo
ferindo o direito pelo princípio de Estado laico, os ilustríssimos deputados ainda ignoram as demais religiões. Beneficiar alguém por ler a Bíblia e tirar o benefício de outra pessoa pela escolha da leitura de um livro que defende outra visão religiosa também é inconstitucional.

OPINIÃO
Mais um exemplo real de que muitos religiosos no poder, não fazem a menor ideia do que estão fazendo e transformam suas convicções religiosas em um ponto cego e desgovernado a ser seguido

Comentários