Home Brasil CRESCE NÚMERO DE BRASILEIROS QUE PESCAM CAÇAM E CULTIVAM PRÓPRIO ALIMENTO

CRESCE NÚMERO DE BRASILEIROS QUE PESCAM CAÇAM  E CULTIVAM PRÓPRIO ALIMENTO
0

CRESCE NÚMERO DE BRASILEIROS QUE PESCAM CAÇAM E CULTIVAM PRÓPRIO ALIMENTO

0

Ao todo, 7,7% da população brasileira com 14 anos ou mais recorre ao expediente de trabalhar para a subsistência

 

Em mais uma grande demonstração de que brasileiro é um povo que se reinventa e que o país não se encontra em piores condições devido ao grande número da classe trabalhadora que, honestamente, procura seu sustento diariamente e, sem pretensões, aquece a economia mantendo o Brasil em movimento contínuo de recuperação é que para driblar a crise e o desemprego, aumentou o trabalho para subsistência. O Brasil já tem 13 milhões de pessoas que cultivam, caçam, pescam e criam animais, produzem carvão, cortam lenha, fabricam calçados, roupas, móveis e cerâmicas e sobem laje, de acordo com pesquisa do IBGE divulgada na sexta-feira (26).

Este número aumentou em 25% nos últimos três anos. Desde 2016, são 2,609 milhões de brasileiros recorrendo ao trabalho para o próprio consumo, segundo os dados da pesquisa “Outras formas de trabalho”.
A maior alta foi no Nordeste, onde esse contingente cresceu de 9,4% para 10,9%, ultrapassando a Região Norte, onde a prática de caça e pesca para subsistência é tradicionalmente maior.
No Sudeste, por outro lado, o mais comum é a prática de construção para o próprio consumo, o típico subir uma laje.

No Brasil, o tipo de trabalho mais frequente para a subsistência é cultivo, pesca, caça e criação de animais, com 74% dos que fazem alguma atividade para o próprio consumo.

Atividades
A produção de carvão e o corte de lenha são praticados por 14,5%. Com a alta nos preços do gás, cresceu sobretudo no Nordeste o uso de lenha para cozinhar. A construção, como subir uma laje, é adotada por 8%.
Mas muitos recorrem também à fabricação de calçados e roupas (13,7% do total).

Idosos
A pesquisa também identificou que os mais velhos, acima de 50 anos, são os que mais se dedicam a esse tipo de trabalho precário. Nessa faixa etária, representam 11%. Nas regiões Norte, Nordeste e Sul, a taxa alcança 14%.

Escolaridade
Esse tipo de trabalho também tem relação forte com a escolaridade. Segundo dados da pesquisa, 13,2% das pessoas sem instrução ou com ensino fundamental incompleto realizam produção para o próprio consumo, contra 3,1% daquelas com ensino superior.

Comentários
-- Jornal Nação --