Home Saúde CICATRIZAÇÃO DA PELE COM AJUDA DOS ALIMENTOS

CICATRIZAÇÃO DA PELE COM AJUDA DOS ALIMENTOS
0

CICATRIZAÇÃO DA PELE COM AJUDA DOS ALIMENTOS

0

É raro encontrar alguém que não possua cicatrizes, seja de travessuras da infância, acidentes ou até mesmo cirurgias.
É necessário conhecer bem o processo de cicatrização, para que possa melhorar a aparência das cicatrizes e acelerar o processo em casos de novos ferimentos na sua pele. Algumas pessoas apresentam muitas dificuldades com esse processo, e até precisam de tratamento de correção.
A cicatrização é o processo de reparação de um tecido lesionado por um tecido novo, e apesar de ser um processo interno, é preciso seguir alguns cuidados externos como manter a higiene do local e usar curativos.

Fatores que inferem na cicatrização
O que mais impacta no processo é a pele do paciente, que está relacionado principalmente a questões genéticas. Negros e asiáticos, por exemplo, têm uma tendência maior a ter problemas na formação das cicatrizes, mas há variações.

Em caso de cirurgias, outro ponto que conta é o tipo e corte feito no paciente. A melhor posição é sempre aquela que respeita o ângulo de tensão no plano natural da pele.
Ao longo do nosso corpo há inúmeras linhas imaginárias, como se fosse um mapa-mundi e os seus Meridianos e Paralelos. As linhas foram criadas justamente para identificar os pontos de tensão, assim quando o cirurgião faz a incisão ele tem a preocupação de respeitar este ângulo.
Além dos principais citados, há outros fatores como: a faixa etária; Estado nutricional da paciente; Presença de doenças crônicas; Uso de medicamentos; Dimensão e profundidade da lesão; Presença de hematomas, equimoses ou edemas;

Há vários métodos para cuidar da aparência da cicatriz, diversas pomadas e remédios, porém, o mais natural e saudável é consumir alimentos cicatrizantes.

 

Fases da inflamação

1. Fase inflamatória
Possui sinais flogísticos (alterações na pele)
2. Fase Proliferativa
Pode durar de 3 a 24 dias
3. Fase Reparadora
Formação do novo tecido

Favorecem a cicatrização

Laranja, pêssego e acerola
A vitamina C é essencial para a formação adequada do colágeno, proteína que regenera o tecido.

Castanhas, nozes e afins
Além de contarem com gorduras benéficas, com poder anti-inflamatório, elas são boas fontes de zinco, mineral que garante o equilíbrio entre produção e degradação de colágeno.

Peixes e carnes magras
Os cortes magros de carne vermelha dão incentivo especial para a formação do colágeno. Já os pescados fornecem ômega-3, gordura que barra inflamações.

Vegetais arroxeados
A cor indica a oferta de antocianina, um dos antioxidantes mais efetivos para a pele. Cereja, beterraba e berinjela estão cheias dela.

 

Prejudicam a cicatrização

Camarão
O crustáceo tem concentrações elevadas de quitosana, uma molécula que favorece a inflamação da pele.

Carne de porco
Ela também inflama a cútis, o que pode elevar além da conta a produção de colágeno e gerar uma supercicatrização – o queloide.

Soja
As isoflavonas da leguminosa estimulam a liberação de substâncias do corpo que rendem mais e mais inflamação na ferida.

Pimenta
Ela tem capsaicina, substância que é ótima para as artérias, mas um tanto quanto agressiva para a pele. Melhor aposentar por um tempo.

 

Tipos de cicatriz

Atróficas: basicamente elas surgem quando há perda de estruturas que oferecem apoio e firmeza à pele, como de músculo ou gordura. No geral está presente em qualquer tipo de trauma em que se perde tecido, deixando uma espécie de relevo na pele. Por exemplo, em casos de acnes e após acidentes.

Hipertrófica: ocorre quando no processo de cicatrização o corpo produz colágeno de forma desorganizada. Isso faz com que a cicatriz fique mais elevada em relação à pele ao redor. Muitas vezes a cicatriz hipertrófica é confundida com o queloide, mas são reações diferentes.

Queloides: é caracterizado pelo excesso de produção de colágeno do nosso corpo e resulta em uma cicatriz que não para de crescer. Ela consegue ultrapassar os limites iniciais da própria lesão.
A queloide está muito relacionada a questões de raça e a genética. Apesar de inofensiva à saúde, ela normalmente causa um impacto na aparência e confiança das pessoas.

Normotrófica: é a mais simples, quando a pele recupera a aparência de antes do ferimento. Normalmente, surge após machucados leves, que não agridem tanto.

Comentários