Home Sociedade ATIVISTA GAY PEDE QUE HETEROSSEXUALIDADE SEJA BANIDA POR SER A RAIZ DE TODOS OS MALES DO MUNDO

ATIVISTA GAY PEDE QUE HETEROSSEXUALIDADE SEJA BANIDA POR SER A RAIZ DE TODOS OS MALES DO MUNDO
0

ATIVISTA GAY PEDE QUE HETEROSSEXUALIDADE SEJA BANIDA POR SER A RAIZ DE TODOS OS MALES DO MUNDO

0

Quando alertamos que a minoria da comunidade LGBTWQZYK têm ganhado espaço na sociedade por conta da passividade das famílias não é nenhum exagero.
Pelo mundo afora, o movimento pela distorção da essência humana toma proporções e revela, a cada novo movimento, que não há limite em suas infâmias e loucuras.

O site francês de esquerda Mediapart publicou um artigo, escrito por um ativista gay, pedindo a proibição da heterossexualidade porque incentiva a “homofobia” e o “racismo”.

A peça de opinião, escrita por Mérôme Jardin, um ativista gay, assume a forma de uma longa frase que culpa a heterossexualidade por quase todos os males do planeta.

“A heterossexualidade não é uma orientação sexual, mas um sistema de dominação gerando e alimentando o sexismo, homofobia, transfobia, bifobia e outras opressões como o racismo, o poder ou o classismo”, afirma o artigo, acrescentando que a heterossexualidade é culpada pelo “femicídio”. de mulheres e “uma mulher morrendo a cada três dias nas mãos de seu companheiro”, além de todos os estupros e suicídios de pessoas LGBT.

O artigo absurdo continua a comparar a heterossexualidade com a negação do Holocausto, acrescentando que as pessoas heterossexuais só começaram a apoiar os direitos dos homossexuais quando “esfregamos os narizes nos horrores que criaram”. Ele também ridiculamente afirma que a heterossexualidade foi a culpada pela epidemia de AIDS porque levou ao “abandono dos gays, bis e trans”.

O artigo conclui afirmando que “é urgente que a heterossexualidade seja banida”.

A ironia por trás da peça é que Jardin também é membro do CCIF (Collective Against Islamophobia).

Alguém se pergunta como sua opinião será recebida entre a população muçulmana da França, que atualmente está em quase 9%.

 

Não é apenas aqui no Brasil que assistimos a minoria tentando impor suas escolhas sobre a maioria cristã e conservadora da sociedade. Enquanto as famílias se mantiverem caladas, sem expressar repúdio, essa minoria ganhará espaço provando que a loucura é normal e a normalidade é loucura.

Comentários
-- Jornal Nação --